Uma pausa para sentir suas emoções

Nesse lindo processo de aprender sobre mim e também cuidar da minha saúde mental, eu entendi que cometia um erro muito grande que era o de reprimir sentimentos que eu e a sociedade inteira consideramos ruins e isso me fazia sofrer muito mais do que o necessário e por muito mais tempo do que eu sofreria se os sentisse.

Photo by Bernard Hermant on Unsplash
Vivemos em um sistema que te diz que é errado você ficar triste, sentir raiva, se chatear com as coisas... Sempre foi assim porque esses sentimentos são classificados como ruins, enquanto somos  cobrados para nos sentirmos sempre felizes. E recentemente tenho percebido uma cobrança ainda maior nesse sentido, cada vez mais as pessoas te cobram que você viva uma vida 100% good vibes esquecendo que somos seres humanos que sentimos coisas sobre as quais nem sempre temos domínio.

Enxergar o mundo de uma forma positiva é extremamente válido, mas reprimir nossas emoções quando elas chegam é perigoso porque além de não aprendermos com elas, mais cedo ou mais tarde aquele sentimento vai voltar e te pegar completamente desprevenido e você não vai saber o que fazer com ele e com todos os outros que vierem junto...

Tenho experimentado um exercício que é o de sentir o que precisa ser sentido, independente de qual sentimento seja. Se algo acontecer e me deixar triste, eu vou me permitir ficar triste, não vou forçar a tristeza a ir embora antes da hora. Vou sentir aquela emoção até ela passar sozinha, enquanto tento entender por que estou me sentindo daquela forma, vou sentir a tristeza, aprender com ela, respeitando o meu sentimento e depois ela irá sozinha embora e então eu vou ficar bem. Enquanto isso sigo a vida normalmente, eu não estou falando aqui para deixar o sentimento consumir, eu digo que precisamos parar de reprimir as emoções porque isso nos deixa doentes.

A mesma coisa com a raiva. É claro que não vou sair quebrando tudo ou brigando com todos, mas também não fico mais me sentindo culpada quando sinto raiva por algo que tenha acontecido. Eu enfrento a raiva, lido com ela e deixo ela ir. Se eu precisar enfrentar alguém no caminho, o faço após entender o que estou sentindo, o que torna todo o processo mais saudável.

Essa minha nova postura tem diminuído drasticamente minhas explosões por conta de coisas não ditas ou não sentidas direito. Inclusive enquanto escrevo este post eu estou lidando com um sentimento de frustração. Sim, as vezes as coisas não saem como a gente espera e é normal se sentir triste e frustrado. Ao invés de esconder isso e ficar fingindo que está tudo bem eu estou trabalhando meu sentimento internamente para que ele se vá naturalmente e deixe somente o aprendizado. Ignorá-lo é como colocá-lo numa caixinha aqui dentro que pode cair e se abrir a qualquer momento.

Antes que me perguntem se estou incentivando que as pessoas fiquem tristes, eu preciso esclarecer que de forma alguma eu estou falando isso. O exercício que eu tenho praticado e que trouxe para discussão aqui é o de sentir as emoções com respeito e aprender com elas para que então elas possam ir embora. Porque essa cobrança para estarmos sempre felizes faz com que a gente fique camuflando aquilo que é considerado "ruim" o tempo todo. Mesmo por que eu acredito que se você está sentindo tristeza, raiva entre outras coisas com uma certa frequência e está encontrando dificuldade para lidar com isso, é importante buscar ajuda de um profissional. Desde que comecei a fazer terapia eu sinto uma melhora significativa na forma como trabalho com as minhas emoções.

Eu tive incontáveis crises de ansiedade por não enfrentar esses sentimentos durante os últimos 2 anos. Desde que comecei a tentar lidar com o turbilhão de emoções que eu sinto eu consegui sentir uma coisa de cada vez, aprender com cada situação e o por que elas causam essas reações em mim. Depois disso eu tenho percebido uma redução no meu nível de stress por conta de coisas que não posso  mudar, porque já lidei com aquilo na hora em que aconteceu o problema.

Muitas vezes situações vão sair do nosso controle (eu diria que na maioria das vezes) e é importante entender que tudo isso tem uma razão para acontecer e um aprendizado envolvido. Para mim, tem feito bem tentar aprender com as situações ao invés de apenas fingir que elas não aconteceram.

É claro que quando estamos felizes, não nos sentimos pressionados a esconder a felicidade, mas eu acho que dá pra puxar uma abrangência aqui para os chamados "bons sentimentos" também. Não vamos mais reprimir a felicidade, o amor, a celebração por medo, insegurança ou qualquer outra razão que seja... Já que somos capazes de sentir tantas coisas, melhor aprender com isso não é? Todos os sentimentos são importantes.

Deixo aqui 2 recomendações de conteúdo que me ajudaram a entender esses processos e me incentivaram a iniciar esse trabalho de valorizar meus sentimentos. O primeiro é o filme Divertidamente (Inside Out) que é absurdo de tão incrível. Mesmo sendo um desenho eu acredito que ele fala de uma forma diferente com nós que somos crianças crescidas. O segundo é o Vídeo "Eu sou uma Orquídea" da Jout Jout onde ela levanta essa questão sobre o por que de alguns sentimentos são considerados bons e outros ruins.


E como vocês lidam com as situações que fogem do controle? Vamos conversar nos comentários?


Comentários

  1. Amei essa sua postagem, sempre estou visitando seu blog e lendo suas postagens.. Seu blog está salvo em meus favoritos..

    Parabéns!

    Amo seu blog ❤️..

    Meu Blog: Resultado Capital de Prêmios

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Samara,

      Que bom que você gostou da postagem, escrevi de coração!
      Fico muito feliz por saber que você gosta do blog também. Obrigada pelo carinho!

      Um beijo.
      Line

      Excluir
  2. Oie,
    Concordo completamente com você. Essa repressão de sentimentos vai nos consumindo aos poucos, e cedo ou tarde, acabamos explodindo, o que é bem pior. Hoje muitas pessoas vivem entre duas alternativas: fingir a felicidade para todos enquanto sofre por dentro, ou fingir felicidade e enterrar os sentimentos ruins. Então, vamos viver nossas tristezas também, aprender com elas e ser verdadeiramente feliz.
    Beeijoo!!!

    Grazy Carneiro
    Meus Antídotos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Grazy,

      Você disse tudo! Reprimir nossos sentimentos, nos consome. Eu diria que nos afoga de certa forma. Tenho tentado sempre que possível trabalhar os sentimentos ao invés de simplesmente fingir que eles não estão ali. Tem sido uma experiência de auto conhecimento e amadurecimento.

      Muito obrigada pelo comentário!
      Um beijo,
      Aline

      Excluir

Postar um comentário

Você pode comentar mesmo sem possuir conta no Google, alterando para a melhor opção no menu "Comentar como:". Caso não possua uma conta à qual vincular, selecione a opção Nome/URL e deixe a URL em branco, comentando apenas com seu nome.

Use o bom senso para comentar, pois não serão aprovados comentários contendo mensagens agressivas, de baixo calão ou preconceituosas. Vamos manter uma blogosfera agradável.

Deixe o endereço do seu blog para que eu possa conhecer também!