quarta-feira, 28 de dezembro de 2016

Pode ir, 2016!

O que dizer de um ano que mais pareceu uma montanha russa? Alternando momentos de pura alegria ou conquistas com momentos em que parecia que o mundo estava decidido a acabar comigo? 2016 trouxe coisas boas, mas também me deu vários 7 a 1 e eu não sabia nem como começar essa postagem. Sério!

No final do ano passado eu decidi não fazer uma lista muito grande com resoluções de ano novo porque me conheço e sabia que caso eu não realizasse muitas coisas eu ficaria muito triste (como aconteceu em 2015), então me propus somente a tentar todos os dias ser uma pessoa melhor, lutando pelas coisas que eu acreditava e trabalhando para alcançar as metas que eu desenhasse.

Comecei o ano cheia de idéias, inclusive voltei a escrever, o que foi uma coisa fantástica para mim que estava fora desse mundo havia algum tempo, mas morrendo de vontade de voltar! Com o blog eu pude retomar o projeto 101 coisas em 1001 dias que virou uma lista de resoluções de vida nova onde, já ciente de que não vou cumprir tudo, eu escrevi coisas que tenho vontade de fazer, mas sabendo que é só um guia e não uma obrigação e a coisa vai bem no projeto, estou feliz com as minhas conquistas. Falando no projeto, saltei de paraquedas. Nem vou comentar o quanto isso foi importante, desde o fato da superação do medo, a descoberta de uma Aline radical e aventureira hahaha até o fato de ter sido uma experiência incrível com amigos especiais!

2016 foi o ano em que realizei o sonho de conhecer Orlando, eu sei que devo os posts da viagem aqui e em algum momento da vida eu juro que vai sair algo, mas ainda não consegui escrever nada! Sobre a viagem eu não tenho palavras para descrever como tudo foi mágico e perfeito. E como me fez bem e me ensinou coisas. Sem contar que viajei sozinha, o que por si só já foi uma aventura! Descobri que consigo andar em montanha russa e até mesmo gostar desse "trem". Aprendi que a única pessoa que sabe o que e quando devo fazer algo sou eu mesma...

Show de Fogos de Halloween - Hallowishes

Foi neste ano que decidi que ia dirigir, fui atrás de aula e hoje estou dando minhas voltinhas de carro. Como já disse antes, essa conquista tem um peso importante por ter sido algo que eu queria muito, mas que passei a maior parte do tempo deixando a pressão das outras pessoas me atrapalhar. Hoje, embora eu não vá muito longe AINDA eu já consigo sair de carro para resolver minhas coisas e isso me enche de alegria, porque é libertador.

Fui bastante ao cinema, embora não tenha escrito sobre todos os filmes que vi, foram muitos, comparado com anos anteriores. E falando em filmes eu finalmente assisti Star Wars porque eu não sabia nada desse universo até pouco antes de viajar, inclusive chamava os Stormtroopers de Darth Vader Brancos (não me julguem), mas agora posso até falar do assunto, falta apenas o Episódio 7, porque até o Rogue One eu fui ver no cinema. Que a força esteja com vocês! Li até que bastante considerando meus maus hábitos durante o ano e todo o drama que vivi, pois é. Eu até escrevi algumas (duas) resenhas das quais me orgulho bastante e tem mais para sair. E ainda no campo das artes, eu pude ver o FANTÁSTICO MARAVILHOSO musical Wicked.

Olha os Darth Vader branco ai!

Além disso eu tive a oportunidade de conhecer pessoas incríveis, pessoas que dividiram um sonho comigo e que me ajudaram a realizar o meu sonho, que mesmo sem se conhecer direito se ajudou e tornou tudo ainda mais especial. Pude me reaproximar de pessoas que eu amo, mas que estavam distantes por motivos de "a vida adulta" e também passei muito mais tempo com meus amigos de fora do trabalho, porque com a loucura que é trabalhar em turno de revezamento eu vinha passando cada vez menos tempo com eles.

No trabalho eu vivi momentos onde conquistei coisas importantes e fui reconhecida pelas minhas entregas, comecei a aprender uma área nova dentro do meu processo, fui indicada para ser auditora interna o que enriqueceu bastante meu conhecimento do sistema de gestão da empresa e também ganhei responsabilidades dentro das demandas da área. Ainda assim passei um bocado de perrengue e inseguranças. Acredito que faz parte, deve ser etapa importante para amadurecer... Sei lá.

Comecei pela parte boa porque sou grata demais por tudo de incrível que me aconteceu, mas teve muita coisa ruim. 2016 foi o ano em que mais chorei, em que mais me senti sozinha, perdida. Eu descobri da pior forma que algumas pessoas não eram meus amigos de verdade. Eu abandonei metade dos meus projetos, eu tive que chegar ao fundo do poço para aprender certas lições. Passei mais de 50% do ano me sentindo muito mal, insegura, incapaz. E isso é horrível. Eu boicotei a terapia (e de certa forma ainda estou fazendo isso, mas estou tentando parar de fazer), eu estive desmotivada grande parte do ano. Eu não encontrei abrigo em muitas das vezes em que precisei e isso me tirou o chão. É muito ruim você sempre ser a pessoa que reclama e muita gente não conseguia entender eu estar planejando uma viagem dos sonhos e enquanto dizia que não estava feliz com a Vida, mas a Vida é todo um conjunto de engrenagens que precisam funcionar juntas, a gente lida bem com uma ou outra rodando meio "zuada", mas quando as engrenagens ruins são maioria o negócio para de funcionar e a gente entra em pane. Eu tive que lidar com falta de empatia, com gente me colocando pressão o tempo todo sem prestar atenção e ver que eu estava prestes a entrar em crise.

Saindo da minha vida, tivemos que lidar no geral com ódio gratuíto distribuido nas ruas e redes sociais, o que me afeta de forma gigantesca também. A intolerância "correu solta" durante esse ano e as pessoas mais pareciam selvagens lutando sei lá por que razão. 2016 foi pesado, eu me esforcei MUITO para não me envolver em brigas de facebook porque tinha hora que o sangue fervia e eu nem estava discordando da opinião da pessoa, mas da forma como ela estava tratando o outro, mas ainda assim precisava largar o celular e ir respirar longe dele.

Mas tudo bem, o importante são as lições que ficam, algumas coisas ainda me machucam muito e eu espero cuidar delas agora no ano que chega. 2016 chegou e me pegou tentando acertar a vida, ele bagunçou ela mais um pouco, mas me deu umas coisas boas para lembrar pra sempre. Ainda não pensei muito sobre o próximo ano, acredito que devo fazer isso até o final da semana, sem criar expectativas gigantes eu pretendo traçar um norte para seguir. A idéia de tentar ser uma pessoa melhor no ano que chega é a mesma! SEMPRE.

Que 2017 seja um ano BOM. Que tanto para mim quanto para vocês seja um ano de conquistas e paz interior, que os sonhos possam ser sonhados e realizados e que tenhamos saúde para alcançar nossos objetivos. E que o amor sempre vença em nossos corações, tanto o amor pelas pessoas como pelo nosso trabalho e por nossas vidas. Que nossa maior riqueza seja o montante de momentos bons que vamos dividir com pessoas especiais ♥

Adeus ano velho!

Siga também por aqui: Facebook / Bloglovin / Pinterest / Instagram / We ♥ it

sábado, 24 de dezembro de 2016

Então é Natal

Vai chegando essa época do ano e a gente começa a perceber as pessoas que são mais Natal ou mais Ano Novo. Sempre fui mais "Natal", embora eu goste daquele clima de renovação que vem com a virada de ano, o Natal me dá uma sensação tão quentinha de que tudo vai ficar bem.

Photo credit: Foter.com / CC0
Na minha casa, não é um costume fazer aqueles banquetes com a família toda no final de ano, então nunca atribui esse sentido da comilança para o Natal, o que mais gosto é o clima que começa na metade de Novembro e vai até o final do ano em que as pessoas se tornam mais generosas, gentis e amáveis. É toda a atmosfera de harmonia que parece tomar conta dos corações de todos nós, meros mortais. Eu particularmente fico mais emotiva e amando toda essa onda de vermelho, verde, dourado e luzinhas que iluminam tudo o que a gente vê.

Mesmo sem toda aquela festança eu aprendi que o mais importante é estar com quem a gente gosta, seja a família, os amigos, os agregados ou todo mundo misturado. Não importa quanto a gente vai comer ou quantos presentes vai ganhar, mas sim quantos abraços sinceros vamos ter a oportunidade de dar e receber quando chegar a hora.

O post é curtinho, mas é apenas para deixar aqui meus votos de um Natal maravilhoso para todos vocês que estiveram aqui durante esse ano. Que a doçura do Natal permaneça em suas casas e corações e que seja o primeiro de muitos que passamos "juntos".

Poder acreditar que as pessoas podem sim ser boas, que há amor no coração de todos nós mesmo após um ano pesado como foi 2016 é o que renova nossas esperanças para o próximo ano. Todos os Natais eu renovo meu pedido para que o tal espírito natalino não se perca após o almoço de Natal. É pedir muito? Eu sei que sim, mas eu tenho fé que um dia Papai Noel vai conseguir entregar em todas as casas um pouco desse quentinho no coração que faz com que nos tornemos melhores nessa época do ano para que fiquemos assim sempre.

Siga também por aqui: Facebook / Bloglovin / Pinterest / Instagram / We ♥ it

segunda-feira, 12 de dezembro de 2016

101 em 1001: Sobre dirigir sozinha

Esta postagem faz parte do projeto 101 coisas em 1001 dias. Para acompanhar as outras postagens é só clicar na categoria do projeto. Uma das minhas metas é fazer uma postagem para cada meta concluída. Hoje vamos falar sobre essa meta aqui: 10. Dirigir Sozinha


Vou contar uma história para vocês conseguirem entender o quanto escrever essa postagem é importante pra mim. Porque pra muita gente dirigir é uma parada muito fácil, só que pra mim não era, na verdade ainda não é, mas tudo bem... Enfim, preciso contar as coisas do começo aqui para mostrar todo o caminho percorrido. Então sim, desculpem o termo que vou usar agora, mas to feliz pra caralho!



Eu sou habilitada desde 2011 (o que significa que já renovei minha CNH), porém quando tirei a carteira de habilitação eu tentei dirigir o carro do meu pai e a coisa não rolou muito bem e acabou comigo falando o seguinte: "Eu NUNCA MAIS vou dirigir seu carro, pai!" Promessa essa que eu cumpri. Só que eu também não comprei um carro durante muito tempo, e como não tinha problema em sair de ônibus porque o carro era um conforto e não uma necessidade o tempo passou e eu não dirigi nem pra colocar o carro "mais pra frente" na garagem.

Em 2014 meu pai resolveu trocar de carro e eu tinha uma grana guardada e ele me ofereceu o carro dele por um preço que considerei bom então comprei! Ainda assim eu não sai dirigindo o carro porque eu não sabia mais como dirigir, sério, eu tinha medo e não tinha dirigido né? No começo foi falta de tempo, eu estava trabalhando 12 horas por dia e chegava em casa querendo banho, janta e cama. Depois um amigo me deixou dirigir o carro dele e mesmo com medo eu fui e não foi tão ruim, mas pegar meu carro que era bom, nada.

Comecei a sair com meu carro e meu pai em 2015 e no começo foi difícil porque meu pai não tinha muita paciência e eu também não sou a pessoa mais fácil de lidar do mundo então demorou um pouco pra gente se acertar, ainda assim eu não fazia tanta questão porque eu fazia tudo de ônibus na boa, até o dia que tentaram me assaltar na porta de casa e eu parei de sair depois que escurecia (só ia trabalhar) por medo. Então dirigir virou uma necessidade pra eu poder sair a noite. Mas eu ainda não tinha muita confiança e por mais que eu pegasse o carro de vez em quando, minha insegurança não deixava eu progredir. Minha preguiça também não.

O ano de 2016 começou com uma promessa, eu prometi que não ia comer pão (no caso os lanches com pão, torrada, essas coisas) enquanto não começasse a dirigir sozinha ou então que ficaria 6 meses sem pão porque eu tinha a viagem marcada e não queria viajar sem poder comer lanche, e a viagem me fez querer mais ainda dirigir porque queria alugar um carro (acabei comendo pão antes de dirigir, só pra adiantar o assunto). Só que eu tinha muita dificuldade para dirigir e parece que o fato de poder sair a hora que eu quisesse com meu pai fazia com que eu ficasse com preguiça, o que só foi resolvido quando eu resolvi fazer aula para habilitadas.

Comecei minhas aulas em julho com uma instrutora linda que eu queria levar pra morar na minha casa de tão amor que ela é. No começo eu ainda tinha muito medo, mas depois comecei a fazer as aulas no meu carro até que chegou o dia em que ela falou que eu faria aula dirigindo sozinha seguindo o carro dela. Eu fiquei tão pilhada que até troquei a data da aula achando que era um dia antes haha. Fiz a aula e foi muito mais tranquilo do que imaginei que seria. Era minha primeira vez sozinha no carro e deu tudo certo! Considerando que sou ansiosa e desesperada eu imaginava um milhão de coisas que poderiam acontecer, mas deu tudo certo! No dia seguinte (09/12/16) eu fui sozinha até o shopping buscar meus pais. Sai de casa com medo, mas fui, consegui chegar lá rapidinho e foi muito especial. Um passinho pequeno, mas que pra mim tem um significado imenso.

Durante muito tempo eu ouvi das pessoas que eu era boba, que eu devia dirigir e muitas outras coisas que para quem fala é muito simples, mas o bloqueio que eu tinha com relação a isso era gigantesco, eu tinha muito medo, eu me sentia insegura e as pessoas não entendem como é viver com uma insegurança que por vezes te paralisa, eu achava que era horrível no volante e que todo tipo de tragédia poderia acontecer (olá, ansiedade). Junto com tudo isso eu percebi que a pressão das outras pessoas era meu maior limitante, porque me deixava ainda mais para baixo, eu me sentia muito mal quando ouvia todos falarem o quão fácil era e pra mim não era nem um pouco. Por isso foi importante eu parar de me preocupar com o que os outros estavam falando e esperar MEU TEMPO para que as coisas acontecessem. Não se tratava de me acomodar, mas de me respeitar, de entender que só eu poderia saber a hora de fazer isso assim como qualquer outra coisa. Algumas coisas não podem esperar o meu tempo, mas outras podem e para essas eu decidi me permitir não enlouquecer antes da hora, ou melhor, em hora nenhuma!

Agora é ir treinando e me desafiando a ir cada vez mais longe. Toda essa saga do volante me fez entender que só eu posso saber quando é hora de fazer certas coisas, principalmente quando essas coisas só afetam a minha vida. Não posso deixar que a pressão das outras pessoas me atrapalhe, me assuste ou me deixe mal. Mesmo porque sempre vai ter alguém para dizer que eu deveria fazer as coisas de outra forma, não dá pra mudar o rumo toda vez que isso acontecer, não é? Quero poder contar aqui das minhas novas aventuras com o carro e espero que elas sejam muitas! Estou feliz agora e espero continuar assim, conquistando um pouco de cada vez, ao infinito e além.




Siga também por aqui: Facebook / Bloglovin / Pinterest / Instagram / We ♥ it

quarta-feira, 7 de dezembro de 2016

Eu fui ver Wicked!

Desde sua estréia em Março, o musical entrou para a minha "lista" de desejos porque (1) eu nunca tinha assistido um musical; (2) fazia uma vida que eu não ia ao teatro e isso é sério, nem lembro da última vez, tanto que ir ao teatro virou uma meta na lista de 101 coisas e (3) li O Mágico de Oz no final do ano passado e AMEI, sem contar minha relação de amor e ódio com a Zelena de Once Upon a Time. Tudo isso ai misturado me fez decidir que eu PRECISAVA assistir Wicked: A história não contada das Bruxas de OZ.

O musical, composto por Stephen Schwartz e Winnie Holzman é baseado no livro Wicked: The Life and Times of the Wicked Witch of the West escrito em 1995 por Gregory Maguire, que é uma releitura de O Mágico de Oz. Wicked é um blockbuster da Broadway e possui diversas produções internacionais, inclusive já foi visto por mais de 48 milhões de pessoas no mundo.


Foto: Divulgação

Fui assistir com um amigo no último domingo (dia 27/11) após uma espera imensa e a tomada definitiva de decisão de que desse dia não passaria, o Felipe acabou se interessando pela idéia de assistir um musical depois de eu insistir tanto com ele. Mas no fim ele também gostou bastante do que viu. De fato, não tinha como não gostar do espetáculo, porque é INCRÍVEL! Fomos assistir a sessão de domingo as 15h e adoramos!


Foto: Divulgação

A história começa antes da chegada de Dorothy às terras mágicas de OZ e conta como Glinda e Elphaba se conheceram na faculdade e se tornam amigas, mesmo que no início isso pareça impossível, já que "de cara" a personalidade das duas faça com que se odeiem! Inclusive,  a música "Ódio" não saiu da minha cabeça haha. Para ver o vídeo de divulgação clique aqui. Glinda, ainda chamada Galinda (durante a história vocês ficam sabendo por que ela muda seu nome) é uma jovem popular, ambiciosa, cheia de gírias e expressões tanto ao falar quanto em seus gestos. Eu poderia dizer, inclusive, que ela é feita de glitter. Já Elphaba, nasceu verde e sofre com a rejeição do pai, mas possui a personalidade marcante por saber dos seus sonhos e estar disposta a lutar por eles sem se importar tanto assim com o julgamento dos outros (talvez por já ter acostumado), embora sofra com isso, ela aprendeu a seguir em frente mesmo assim. Desafiando a lógica elas se tornam amigas pouco após a chegada de Fyero, que ganhará o coração das duas, mas isso vocês só vão saber direitinho assistindo ao musical, ok?

Devido ao seu talento para a magia, Elphaba é convidada a conhecer Oz e leva Glinda com ela, onde o destino das garotas é selado e elas são forçadas a se separarem. Parte da história conhecemos de "O Mágico de Oz", ainda assim, o final é surpreendente e eu não vou contar, não é?

sFoto: Divulgação
No Brasil, os papéis de Elphaba, Glinda e Fyero são interpretados por Myra Ruiz, Fabi Bang e Jonatas Faro. De acordo com o site Guia da Semana, a equipe do exterior pediu para que o espetáculo brasileiro não fosse uma réplica gringa, mas que tivesse a cara do Brasil, onde os atores colocasse toda sua brasilidade nas coreografias e interpretações, o que eu consegui sentir lá da platéia, através do gingado e expressões que usamos por aqui em terras tupiniquins.



Wicked me ganhou de uma forma que eu queria muito conseguir ver mais uma vez antes do fim da temporada. SÉRIO! Eu tinha visto os musicais d'A Pequena Sereia , Procurando Nemo e Rei Leão quando estive em Orlando que foram minhas primeiras experiências com musicais, embora sejam shows menores (em duração) são lindíssimos também. Porém Wicked foi de uma grandiosidade que estou desde o dia que fui (27/11) cantando e ouvindo as músicas disponíveis no YouTube.

O espetáculo mistura muitas questões importantes como preconceito, a busca pelos sonhos, amizade, amor, sobre aceitarmos quem somos, passa pelos dramas familiares, mas sem deixar de ser divertido e muito bem humorado. A produção é fantástica e o figurino? Meu Deus o que são aquelas roupas? O atores parecem nascidos para esses papéis, a Fabi faz a Glinda brilhar ainda mais enquanto a Myra nos faz sentir toda a força da Elphaba. Já o Jonatas Faro virou um "príncipe" herói como Fyero, Sério, estou apaixonada!

O Teatro Renault, onde Wicked está em cartaz, é muito bonito e a estrutura é bem legal (não posso comparar com outros ainda), mas pretendo voltar lá em outra oportunidade, isso se não voltar ainda esse mês haha. Aparentemente todos os lugares apresentam uma boa visibilidade do palco, Minha única queixa é sobre o sistema de compra de ingressos pelo site Tickets For Fun que seleciona autimaticamente os assentos. Entendo que seja para evitar cadeiras vazias no meio das filas, mas ele poderia mostrar as opções disponíveis respeitando essa regra e nos deixar escolher entre elas, porém depois de uma luta para encontrar lugares que eu considerasse bons, gostei bastante do meu lugar.

No Saguão (chama assim?) do teatro está a "loja" do espetáculo que tem umas coisinhas bem legais, como chaveiros, canecas, camisetas, entre outras coisas e como eu sou a LOUCA DOS SOUVENIR comprei uma caneca após o musical, mas fiquei muito tentada a comprar um chaveiro que tinha lá e que eu amei, mas dinheiro não dá em árvore infelizmente (triste realidade).



Para quem ficou com vontade de assistir, ainda dá tempo! O musical ficará em cartaz até dia 18 de dezembro com apresentações de quintas e sextas às 21h, sábados às 16h e 21h e domingos às 15h e 20h. Os ingressos podem ser comprados na bilheteria do Teatro Renault que fica na Av. Brigadeiro Luís Antonio, 411 na República na cidade de São Paulo e também pelo site Tickets for Fun e os valores das entradas inteiras variam de R$50 a R$280.

Alguém mais já viu Wicked? Ou algum outro musical que gostaria de indicar? Estou ansiosa para o que virá ano que vem para São Paulo ano que vem!

Siga também por aqui: Facebook / Bloglovin / Pinterest / Instagram / We ♥ it

quinta-feira, 24 de novembro de 2016

101 em 1001: A menina da pele colorida

Esta postagem faz parte do projeto 101 coisas em 1001 dias. Para acompanhar as outras postagens é só clicar na categoria do projeto. Uma das minhas metas é fazer uma postagem para cada meta concluída e a de hoje é:
19. Fazer outra tatuagem.

Postagem atrasada, a gente vê por aqui, não é? Eu fiz a tatuagem dia 22 de junho, mas não fiz a postagem, porque também queria falar de todas as minhas tatuagens (que agora são 4!). Eu já tinha comentado algo a respeito quando fiz aquela wishlist. Fiquei buscando inspiração para tirar foto das tatuagens e postar aqui e ela nunca veio. De qualquer forma, vamos falar sobre o assunto agora.

A primeira que fiz, foi em agosto de 2010. Meu irmão estava tatuando há algum tempo e eu sempre tive curiosidade para fazer uma tatuagem, "pois bem, vamos fazer algo pequeno para saber como é". Assim decidi fazer um coraçãozinho em cada pé, abaixo do tornozelo do lado "de fora" do pé. Essa é a única tatuagem que tem algum significado que eu atribui pra ela, na época eu estava muito filósofa a respeito dos sentimentos haha e fiz essa tatuagem porque "dois corações devem caminhar juntos". Embora eu não tenha cuidado muito bem dela e os traços tenham estourado um pouco (preciso pedir pro meu irmão retocar ela), eu gosto dela. Quase sempre esqueço que tenho essa tattoo por ela não chamar a atenção como as outras, mas foi a primeira né?

Ainda em 2010 eu comecei a pensar em outra tatuagem, no início seria uma borboleta meio realista (e clichê, já que naquela época todo mundo queria tatuar borboleta rs), porém buscando referências junto com meu irmão, nós esbarramos em várias fotos de tatuagens de flor de cerejeira então mudei de idéia e decidi tatuar flores de cerejeira. Meu irmão fez um desenho que eu gostei e marcamos o dia, eu não sabia ainda quais cores ele usaria e a surpresa foi muito boa, já que ele fez uma tatuagem bem diferente das que estávamos acostumados. Essa tattoo é muito bonita e por ele estar ainda no começo da carreira, gostamos bastante dela, 6 anos depois (essa foi feita em novembro de 2010), não enjoei, não me arrependi e não parei de receber elogios pela tattoo.  AH! Ela foi feita nas costas, atrás do ombro direito, toda em uma única sessão! Vou incorporar as fotos do instagram meu e do meu irmão aqui, porque não tirei fotos novas para postar  SHAME ON ME!


Depois das flores eu dei uma segurada nessa coisa de tatuar, mas em abril de 2014 eu fiz outra tatuagem. Essa bem maior, deu mais trabalho, demorou mais e causou uma briga em casa (ops). Eu queria fazer uma tatuagem na coxa, ai comentei com meu irmão que queria algo colorido, com flores e tudo mais, mas não tinha muita idéia do que fazer, deixei tudo na mão dele (bem folgada!) até que ele me deu a idéia de tatuar um gatinho. No início achei estranho, porque 1) Não tenho gatos; 2) Nunca tinha visto tatuagem de gatos. Mas confio nele e a idéia era interessante, tatuar o gato com umas flores, peônias, no caso. Topei imaginando uma coisa bem menor do que a que saiu no final, mas o resultado me agradou bastante. Demoramos 3 sessões para fazer a tatuagem que pega toda a minha coxa da perna esquerda. E agora duas curiosidades: 1) No começo desse ano, meu irmão adotou uma gatinha igual a da tatuagem; 2) Os personagens da Disney fizeram bastante graça com essa tattoo, inclusive, o Mickey. A Ariel deu um nome para ela, Bubbles.


Uma foto publicada por Aline Codonho (@alinecodonho) em


Quer ver uma foto dela inteira? Clica aqui!

A última tatuagem foi feita em junho desse ano, e é a tatuagem do projeto, já que a meta era fazer mais uma tatuagem. Já expliquei como eu escolhi as libélulas, mas não custa contar de novo, já que você pode ter chegado agora por aqui ;). Eu estava tentando decidir o que tatuar nos ombros quando li A Menina Submersa (ótimo livro, por sinal), amei a capa do livro que tem uma libélula, coincidentemente estava na praia onde pude ver muitas delas, a partir daí foi criar uma galeria de inspirações e conseguir marcar um dia com meu irmão. O desenho foi criado na hora e passei quase o dia todo com ele (♥). Amei demais o resultado, como sempre e estou muito super feliz! Infelizmente, o sol de Orlando deu uma tostada na tatuagem, por mais que eu tenha passado protetor, mas vida que segue né? hahaha. Ainda assim amo minhas voadorinhas.


Ombro esquerdo :)


Ombro direito :)

Esse post é dívida antiga e como eu estou sumida, achei que seria legal voltar falando de algo que gosto tanto e que faz parte de mim! Além, é claro de divulgar o trabalho do meu irmão (olha o jabá hahaha). Caso vocês ainda não tenham visto, vou deixar uns links aqui: Site, Instagram, Instagram do Estúdio dele.

Muita gente não gosta de tatuagens e isso é completamente compreensível, mas para mim elas são uma forma de expressão, mesmo que eu não atribua nenhum significado para minhas tatuagens, elas compõem quem eu sou, me sinto customizada com minha pele colorida. Se eu quero parar? Não, mas tenho que pisar no freio porque toda semana tenho uma idéia nova e não sou tão grande assim para caber tanto desenho!

E vocês? Gostam de tatuagens, têm alguma ou gostariam de fazer? Vamos falar sobre isso!

Siga também por aqui: Facebook / Bloglovin / Pinterest / Instagram / We ♥ it

sábado, 24 de setembro de 2016

Eu voltei de Orlando!

Eu sumi, eu sei! Mas eu tive alguns contratempos que me atrapalharam nos dias pré-viagem e acabaram me impedindo de vir aqui. Mas queria contar em resumo como foi a viagem para vocês e dizer que eu já fui e já voltei de lá.

Eu vou montar um jeito bem legal de contar como foram os 14 dias que passei naquela cidade mágica, mas gostaria de dizer aqui nesse momento que foram dias incríveis onde eu realmente me diverti e me conheci. Dias em que eu esqueci os problemas e em que conheci pessoas, vivi emoções que vou guardar para o resto da vida.

Estive lá de 3 a 17 de Setembro e como vocês já sabiam, me hospedei em um hotel do complexo da Disney, o Disney's All Star Music Resort e garanto a vocês que valeu muito a pena pelo atendimento, clima e estrutura durante os 14 dias que estive por lá. Sobre o plano de refeições, eu pude aproveitar para fazer refeições com os personagens e também comer no hotel e nos parques, além do transporte da Disney que é de extrema ajuda quando a gente sai do parque com os pés doendo de tanto andar e o ônibus leva a gente até o hotel :D

Conheci os 4 parques do Walt Disney World Resort:
Animal Kingdom: É o parque que tem a temática voltada para o reino animal, foi meu primeiro parque, foi onde pude ir pela primeira vez a uma montanha russa, o que será assunto para outro post, mas já adianto que adorei o parque e a montanha russa em questão rs.
Magic Kingdom: É o parque do Castelo, aquele que a maioria das pessoas acredita ser "A" Disney, o que não é tão absurdo, se considerarmos que esse é o parque mais mágico de todo o complexo. Foi lá que almocei com as princesas, que tirei foto com o Mickey que fala e que chorei como um bebê vendo o show de fogos, o Wishes.
Hollywood Studios: É o parque inspirado nos filmes. Onde estão os brinquedos mais radicais da Disney (a Torre do Terror e a Montanha Russa do Aerosmith) e onde você pode assistir shows super legais como, por exemplo, o do Indiana Jones!
Epcot: É o parque que na verdade me pareceu 2 parques, uma parte dele apresenta atrações futuristas, mas que também contam a história da humanidade e outras coisas e a outra parte dele conta com 11 pavilhões inspirados cada um em um país diferente! É um parque super bonito!

E essa sou eu "na Itália"
Fui ao Sea World que dispensa apresentações, e embora exista muita polêmica sobre esse parque eu vou voltar aqui para contar minha experiência lá. Mas apenas para completar, além dos shows o parque conta com 3 montanhas russas bem radicais (que eu não fui haha) e outras atrações.

E também fui aos dois parques do complexo da Universal Studios Orlando:
O Universal Studios que além de contar com simuladores FANTÁSTICOS (Transformers ♥) também fica lá o Beco Diagonal onde eu enlouqueci e de onde não queria sair de forma alguma. O outro parque, o Islands Of Adventure além de alguns simuladores apresenta montanhas russas, os brinquedos que molham e quando digo molham é porque MOLHAM MESMO (amei!) e a área destinada ao Mundo Mágico de Harry Potter é inspirada no vilarejo de Hogsmead e também o Castelo de Hogwarts. E devo dizer que nos dois parques eles capricharam, porque me senti dentro do filme de verdade! É lindo demais!
Tava um pouquinho feliz só!
Ainda estou tentando voltar ao mundo real, fazer o download de todas as fotos que tirei lá com o Memory Maker (vou contar sobre esse serviço da Disney depois), organizar as coisas por aqui. Voltei a trabalhar essa semana e ainda estou sonhando com Orlando! As fotos deste post são as que eu consegui tirar do celular e passar para o computador, ainda não tive tempo para descarregar as fotos da câmera e nem as do Memory Maker, como já disse. Mas se quiserem ver um pouquinho do que eu vivi lá, postei algumas fotos no instagram ♥.

Tem tanta coisa interessante para contar sobre a viagem além dos posts que eu estava escrevendo antes de ir que eu espero que a gente possa conversar bastante nos próximos dias.
Por hoje foi apenas um oi rápido para que vocês saibam que eu não abandonei o Inventando Assunto e que tenho um moooonte de coisas para contar!

Tem algo específico que vocês querem saber da viagem? Podem perguntar ai nos comentários!



Siga também por aqui: Facebook / Bloglovin / Pinterest / Instagram / We ♥ it

quarta-feira, 24 de agosto de 2016

6 meses de Inventando Assunto!

O Inventando Assunto completou neste mês de agosto 6 meses de existência e eu não tive tempo de vir aqui falar sobre como estou feliz por isso!

O blog nasceu dia 9 e quem já leu a página sobre aqui do blog sabe que isso ocorreu na terça-feira de carnaval depois de meses ensaiando voltar a escrever na internet. Eu já estava morrendo de saudade de ter um blog novamente e o Inventando Assunto foi sendo criado aos poucos e num processo muito lento que começou com a escolha do "tema" do blog que acabou sendo a minha vida e tudo aquilo que eu acreditasse ser importante, interessante, etc. Depois veio a dificuldade para encontrar um nome para ele até que num estalo, essa coisa de falar de vários assuntos me levou a tentar esse nome e no final das contas não poderia batizar meu novo filhote de outra forma.


Photo credit: andrewmalone via Foter.com / CC BY

Depois da criação veio uma fase de preparação minha até que eu conseguisse fazer a primeira postagem no dia 16 de fevereiro para oficialmente abrir as janelas da casa nova, dar as boas vindas e começar a contar porque e o que estou aqui! Até que numa decisão acertada e como uma forma de demonstrar meu empenho com este projeto ele ganhou um domínio para chamar de nosso! Comprar o domínio para o Inventando Assunto foi um momento muito importante para mim, já que era uma decisão voltada para o crescimento do blog. E junto com o domínio, veio a página do facebook.

Nos últimos seis meses eu dividi alegrias e angústias aqui com vocês, contei porque criei outro blog, escrevi minha primeira resenha, entre outras coisas que foram muito especiais para mim. Conheci pessoas por aqui com quem pretendo criar amizade e dividir momentos especiais, já percebo uma melhora na minha escrita, além do conforto de saber que tenho esse espaço para dividir assuntos que considero relevantes.

Tenho passado por uma fase em que não estou tão bem quanto gostaria e isso tem deixado o blog um pouco desatualizado, porém a existência dele me faz querer vir aqui e contar alguma coisa sempre que posso! Eu me comprometi com ele, então eu sei que preciso me organizar para que estar aqui seja algo mais frequente, porque assunto não falta!

Criar o blog me ajudou a retomar um projeto que gosto muito e que nunca consegui dar continuade, pois havia desativado meus outros blogs, o 101 coisas em 1001 dias. Me ajudou a dividir um dos momentos mais importantes da minha vida que foi a decisão de viajar sozinha para Orlando e espero que essas postagens possam contribuir com o sonho de outras pessoas de alguma forma, e quando eu voltar eu vou poder contar o que vivi por lá. Eu tive a oportunidade de conversar com as pessoas que passam por aqui, de conhecer novos blogs, de aprender com vocês!

As visitas e os comentários que recebi e recebo têm sido uma surpresa boa, pois o blog não nasceu com o propósito de gerar números, mas eles são consequência. E o retorno que vocês me dão é um indicativo de que meu propósito está sendo realizado. Que a minha vontade de me colocar em todas as postagens, de ser honesta até mesmo quando não consigo estar aqui não está sendo em vão. Eu quero que o que eu escrevo aqui possa contribuir desde a dica de um aplicativo até um desabafo sobre algo que não está bom para mim. Que isso possa acrescentar ou pelo menos abrir espaço para uma discussão saudável sobre o assunto! Que eu possa compartilhar amor por aqui!

Eu me sinto feliz por estar aqui há 6 meses fazendo o que gosto e de uma forma que acredito ser agradável para quem passa por aqui, para os seguidores, leitores, os que comentam e os que não comentam também. É impossível agradar a todos, mas se eu puder conversar com vocês já está ótimo! Eu escrevi esse post para contar o quanto estou feliz com essa conquista minha e do Inventando Assunto e também dizer o quanto sou grata pelo carinho que recebo aqui em todas as postagens! MUITO OBRIGADA , sem vocês essa festa não seria tão incrível!

Siga também por aqui: Facebook / Bloglovin / Pinterest / Instagram / We ♥ it

segunda-feira, 22 de agosto de 2016

101 em 1001: Dois meses com o hidratante facial!

Esta postagem faz parte do projeto 101 coisas em 1001 dias. Para acompanhar as outras postagens é só clicar na categoria do projeto. Uma das minhas metas é fazer uma postagem para cada meta concluída e a de hoje é:
76. Usar hidratante facial todas os dias durante um período de 2 meses.
Eu não sou a pessoa mais ligada em moda e beleza, mas eu percebi que embora eu sempre tive uma pele boa eu não estava cuidando dela e isso poderia me trazer problemas no futuro! Por isso coloquei essa meta no projeto, para criar uma rotina de cuidados que começaria com o hidratante. Principalmente porque eu "pego" desde o sol escaldante até o frio da madrugada no rosto por causa do trabalho, e meu descuido não era por que eu não me importava e sim por PREGUIÇA (socorro!!!)!



O hidratante que eu uso é o hidratante antiacne da Clean & Clear, eu comprei ele em fevereiro pela primeira vez e gostei por não ser caro (cerca de R$20 a embalagem de 50g) e também ser bem levinho no rosto, não saio com a sensação de que passei creme, mas sim com a pele fresquinha! Além de ser antiacne, porque ao contrário da maioria das pessoas eu resolvi ter acne depois de velha.Como gostei da linha eu comprei também o sabonete facial! Não posso dizer que nunca mais tive acne, mesmo porque devido à todo o stress que tenho estado submetida nos últimos meses meus hormônios não me ajudaram muito então vez ou outra aparece alguma coisa, mas esses produtinhos têm ajudado bastante.

Como este não é um publipost e eu também não entendo muito dessas coisas para poder fazer uma resenha da linha aqui para vocês, mas precisava escrever sobre a meta concluída eu pensei em falar sobre como foi concluir mais uma meta que envolvia mudança de hábito.

A primeira meta que eu consegui cumprir foi aquela de ficar 2 meses sem tomar refrigerante! Já voltei a tomá-lo, porém eu reduzi muito a quantidade e hoje eu só tomo quando tenho muita vontade mesmo, porque além de não ser de ferro e eu não sou tão radical assim!

A idéia com o hidratante foi realmente tornar disso um hábito, embora as vezes eu acabe esquecendo mesmo, então não quis ser tão rigorosa, pensei no período de 2 meses por acreditar ser um bom intervalo de tempo para transformar isso em uma rotina. O controle do período foi feito pelo Habit Tracker do Bullet Journal (antes de eu perdê-lo, mas já comecei outro e achei o velho!! Que loucura!) e o período em que eu cumpri a meta foi de 08 de maio a 08 de julho e hoje eu continuo usando o hidratante facial, passou a fazer parte da minha rotina pós-banho, tendo sempre um cuidado especial para minha preparação para sair principalmente pela manhã ou a noite para evitar o vento gelado nessa época de friozinho.

Hábitos são criados dessa forma, pela insistência em estabelecer a rotina e no começo precisamos nos cobrar para permanecermos firmes nas coisas que nos comprometemos a realizar, mesmo que sejam simples como usar hidratante facial. Por mais que eu seja resistente a algumas mudanças eu estou bem feliz por estar inserindo práticas saudáveis, que me proporcionam bem estar e por não estar sofrendo com isso! O meu desafio maior continua sendo o retorno às caminhadas ou qualquer atividade física, porém tenho fé que conseguirei!

Esse post está bem atrasado e eu já cumpri mais 2 metas (weeee) então vai ter bastante 101 em 1001 por aqui nos próximos dias porque espero conseguir colocar isso em dia!

Como vocês trabalham com essas questão de criar novos hábitos? Dividam comigo suas experiências e vamos continuar conversando, ok?

Siga também por aqui: Facebook / Bloglovin / Pinterest / Instagram / We ♥ it

domingo, 7 de agosto de 2016

Por que eu escolhi me hospedar na Disney?

Esse post faz parte do meu planejamento de viagem. Chegou agora? Pois é, vou pra Orlando e estou contando aqui o planejamento. No último post eu dei 5 dicas para o seu planejamento de viagem para Orlando. De lá você consegue ir para outros posts ou então clica na categoria Viagem, está tudo lá!
Depois de providenciar passaportevisto e comprar as passagens eu precisava decidir a minha hospedagem e comprar meus ingressos. Algumas pessoas optam por fechar tudo de uma vez, como eu consegui a promoção das passagens antes, comprei primeiro e além disso haviam outros fatores segurando minha reserva do hotel.


Disney's All Star Music Resort - Entrada

Antes de tudo, lembra quando eu falei sobre pesquisa no último post? Ela foi fundamental para minhas escolhas durante todo meu planejamento, então friso aqui a importância de saber algumas coisas antes de sair fazendo cotações por ai...
Algumas coisas são importantes ser consideradas na hora de escolher a hospedagem: O tipo de hospedagem e o local, já que há opções de hospedagem em cidades próximas, como Kissimee, por exemplo.

Em Orlando existem diversos tipos de hospedagem. Se você estiver em um grupo grande, vale a pena considerar alugar uma casa, ou apartamento, existem também hotéis com cozinhas completas (para quem prefere cozinhar por lá), hotéis com mini cozinhas (normalmente microondas e frigobar ou geladeira, cafeteira, etc) e também hotéis que possuem só frigobar, vilas para acampamento, entre outras várias opções que desconheço. Como estou viajando sozinha, sequer cogitei me hospedar em casa ou acampamento, também não pretendo cozinhar, então no máximo eu queria um microondas e um frigobar no quarto.

Quarto All Star Movies Resort


Além disso, fiz uma pesquisa de hotéis nos sites como TripAdvisor e o próprio Booking onde verifiquei os relatos de quem já havia se hospedado lá para verificar questões como limpeza e segurança, pois como em todos os lugares do mundo, precisamos nos preocupar com coisas como furto nos quartos, acesso ao hotel, etc.

Sobre a localização, eu não dirijo ainda, não vou alugar carro então não poderia ficar muito longe de Orlando, logo, uma hospedagem em Kissimee estava fora de cogitação, pois mesmo sendo perto, sem carro se tornaria longe. Fazendo esse trabalho de eliminação daquilo que não me atenderia eu fiquei com as opções de me hospedar em um hotel em Orlando que tivesse pelo menos um frigobar no quarto e não ficasse muito longe dos parques, além disso eu precisava de uma hospedagem econômica, pois a maioria dos hotéis chega a acomodar até 4 pessoas nos quartos simples e eu estava pagando por isso tudo sozinha, não dava pra pegar um hotel luxuoso (mas os quartos simples são grandes e confortáveis de acordo com minha pesquisa).

Considerando minha falta de carro, pensei em me hospedar parte da viagem no resort da Disney (por causa do transporte para os parques do complexo) e parte fora, tendo considerado o hotel econômico da Universal que tem onibus para os parques da Universal, porém eu teria que garantir que faria os parques da Disney só quando eu estivesse na Disney e os da Universal quando estivesse lá... Considerei mil possibilidades, porém no final das contas sabia que ia querer misturar os parques, que usar um dia para trocar de hotel não seria uma vantagem e acabei optando por me hospedar em um único hotel.

Além disso, a Disney oferece alguns benefícios para os hóspedes:


  • Transporte Gratuíto para os parques e Disney Springs;
  • Hóspede não paga estacionamento dos parques (que custa 20 dólares);
  • A Magic Band (pulseira que funciona como ingresso, cartão de crédito, etc) é a chave do quarto, portanto você ganha uma quando se hospeda lá (o preço da mais simples é 13 dólares);
  • Magia Disney 24h por dia no hotel;
  • Horas Extras Mágicas nos parques, onde todos os dias algum parque abre mais cedo ou fecha mais tarde e os hóspedes podem aproveitar as atrações nesse período.

Piscina All Star Music


Como era esperado, a Disney estava para lançar a sua promoção para o segundo semestre que poderia ser tanto de desconto na hospedagem como do plano de refeições gratuítos para o segundo semestre e isso muito me interessava, já que eu queria fazer refeições com personagens que costumam ser mais caras. Pois bem, saiu a promoção e fechei o hotel da Disney com o Dining Plan Gratuíto.

O Plano de refeições te dá créditos que você pode utilizar para pagar suas refeições nos restaurantes do complexo, observando sempre se são aceitos nesses restaurantes. Ele pode ser adquirido também fora dos períodos de promoção e possui vários tipos. Porém ele só pode ser adquirido para todos os hóspedes do quarto e por toda a hospedagem. Se quiserem mais informações sobre ele, me avisem que escrevo sobre isso!


Café da Manhã com Waffles do Mickey °O°

Agora as observações sobre a promoção:


  • Para usufruir do benefício, deve ser adquirido a hospedagem em um número mínimo de dias e uma quantidade mínima de ingressos do tipo Park Hooper (que te permitem visitar mais de um parque por dia) ou Water Fun and More (que permitem visitas aos parques aquáticos e outras atrações). Tudo isso deve ser comprado junto. No meu caso o ingresso que adquiri foi o Park Hooper.

  • Só é possível comprar esse pacote através do site da Disney ou agências de viagens. Sites como o Decolar não dão esse benefício, mesmo que você compre hotel + ingressos com eles.

  • Há restrições, hotéis que não participam e até mesmo quartos que estão excluídos, por isso é bom pesquisar antes. Para os hotéis econômicos (que são os mais baratos, embora não sejam tão baratos assim rs) o plano oferecido é o que permite 2 refeições Quick Service (onde você escolhe sua comida, pega e vai comer no balcão num formato bem parecido aos nossos fast food, que não necessariamente são apenas lanche, há vários restaurantes que servem refeições completas no Quick Service). Porém eu queria o plano com direito a refeições Table Service (aquelas em restaurantes onde o garçon te serve ou que há serviço de buffet, pois são nesses restaurantes que eu encontraria os personagens), para isso paguei uma diferença do valor e fiz um upgrade para o Dining Plan com serviço de mesa.

  • Gorjetas, Bebidas alcóolicas e alguns outros ítens não estão incluídos no plano.


Essas foram as razões que me fizeram escolher a minha hospedagem. Financeiramente pode até ter ficado mais caro que uma hospedagem fora, porém os benefícios são bem grandes e estavam de acordo com minhas necessidades nessa viagem. Alguém já se hospedou na Disney? Quer saber mais alguma coisa?


Todas as imagens dessa postagem foram retiradas do site oficial da Disney, da página do Hotel.

Siga também por aqui: Facebook / Bloglovin / Pinterest / Instagram / We ♥ it

quarta-feira, 13 de julho de 2016

Tchau, tchau cabelão!

Lembram quando eu postei uma wishlist aqui e um dos ítens era um cabelo curto? Pois é, isso foi há quase dois meses e nesse tempo eu pesquisei, mudei de idéia, salvei alguns cortes no Pinterest, enrolei e não cortei. Porém semana passada estava no shopping com a minha mãe e tive 5 minutos de coragem! Decidi cortar e cortei!

Para quem não lembra ou não sabia, meu cabelo estava enorme! Eu uso cabelo comprido desde uns 11/12 anos então foi meio chocante para muita gente que achou que nunca ia me ver com o cabelo na altura dos ombros!

Esse é o Antes!
Eu vou confessar que fiquei muito insegura, porém como estava muito afim de uma mudança e já disse que tenho medo de mexer na cor do meu cabelo eu só tinha a alternativa de cortar!

O corte escolhido foi um long bob repicado na altura dos ombros, mas como eu não entendo nada de corte de cabelo, perdoem se estiver errado o nome. Como eu preciso fazer um coque com o cabelo para trabalhar, então não poderia ficar mais curto (eu tenho que colocar o cabelo dentro do capacete!). Eu gostei demais do resultado. Acredito que estava precisando mesmo dessa mudança. Ainda estou estranhando um pouco o fato de ter menos cabelo para pentear ou então esquecendo de reduzir a quantidade de shampoo (vai tempo ainda haha).

E esse é o Depois
Mas o que realmente queria contar aqui é o destino que eu dei ao cabelo que cortei! Desde que decidi cortar eu já sabia que doaria o cabelo para alguma ong que trabalhe com a confecção de perucas para pessoas que perderam o cabelo por causa dos tratamentos contra o câncer, ou qualquer outra razão. Depois de pesquisar um pouco cheguei até a ONG Rapunzel Solidária. Eles têm um site que ainda está em construção porém vou deixar o link aqui para o futuro. Enviei um e-mail para saber como doar o cabelo para eles. É bem simples o procedimento e eles aceitam qualquer tipo de cabelo, como informam já na capa da página do facebook (primeiro link desse parágrafo).

Segue aqui o passo a passo:

  • Você pode doar qualquer tipo de cabelo, tendo química ou não.
  • Quando for cortar o cabelo, avise ao cabeleireiro para ele amarrar o seu cabelo com um elástico e cortar um pouco acima do elástico (caso você corte seu cabelo em casa, faça o mesmo procedimento, ok?). Lembrando que o cabelo deve ser cortado seco e limpo.
  • O ideal é que a mecha cortada tenha pelo menos 15 cm, mas você pode doar se tiver menos que isso também!
  • Tire uma foto segurando o cabelo e compartilhe na fanpage do projeto.
  • Coloque o cabelo preso com o elástico em uma sacola ou caixa e envie para: Caixa Postal: 57007- CEP: 04089-972 - São Paulo - SP
  • Caso você queira entregar sua doação pessoalmente, segue os endereços que eles me enviaram por e-mail: 
  • Escola Projeto Aprender - Av Dr Altino Arantes, 472/476, 2ª a 6ª das 7h30 às 18h30.
  • JJ Cabeleireiros – Av. Cidade Jardim, 1013 – fone: (11) 3079-9042
  • Hospital Pérola Byington – Av. Brig. Luis Antonio, 683 – fone (11) 3248-8000, procurar por Carmelina
Eles têm uma lista de espera para quem esteja precisando de perucas. Basta preencher esse formulário.

A possibilidade de ajudar outras pessoas a partir de algo que já me deixou feliz, só me motivou ainda mais a cortar o cabelo. Cortei um monte de cabelo e ainda sobrou um bom tanto para eu prender e poder trabalhar tranquila!

Independente de qualquer coisa, acredito no poder que o ser humano tem de fazer a diferença na vida do próximo e esse tipo de iniciativa tem o único objetivo de devolver sorrisos... Me senti honrada em poder contribuir.

Essa foi a foto que compartilhei na página do projeto!

Vocês já doaram cabelo alguma vez ou participaram de alguma iniciativa como essa? Vamos falar sobre isso?

Siga também por aqui: Facebook / Bloglovin / Pinterest / Instagram / We ♥ it

domingo, 10 de julho de 2016

5 dicas para sua viagem para Orlando

Esse post faz parte do meu planejamento de viagem. Chegou agora? Pois é, vou pra Orlando e estou contando aqui o planejamento. No último post eu falei sobre compra de passagens aéreas. De lá você consegue ir para outros posts ou então clica na categoria Viagem, está tudo lá!

Planejar uma viagem sempre é algo divertido se você gosta dessa fase da expectativa e também de deixar tudo o mais personalizado possível. Quando essa viagem é para Orlando esse planejamento é um pouco diferente, e cheio de detalhes para melhorar a experiência. Resolvi fazer essa lista com algumas dicas e se vocês gostarem, posso tentar trazer outras listas como essa! Tudo isso aprendi nas minhas pesquisas e conversando com pessoas que foram e como estou compartilhando meu planejamento aqui, achei interessante dividí-las com vocês, já que algumas delas servem para qualquer viagem.


Imagem: Disney

1. Pesquise!

Essa dica parece óbvia, mas nem todo mundo pensa muito nela. Se você já tem o hábito de viajar para o exterior, algumas coisas parecerão mais simples, mas se como eu, é sua primeira viagem para Orlando e também para fora do país você vai precisar de muita pesquisa para aproveitar ao máximo o que a cidade tem a oferecer.
Se você é do tipo "deixa a vida me levar" não vai precisar pesquisar tanto assim, porém se gosta de conhecer o lugar para onde vai, tendo uma idéia do que encontrará lá, pega o caderninho, seu aplicativo de notas preferido e partiu estudar Orlando!
Existem diversos grupos no facebook sobre o assunto e eu faço parte de vários, os que eu mais gosto são: Coisas de Orlando, Magia em Orlando e Disney4you. Nesses grupos o pessoal dá dicas, tira dúvidas e é bem interessante e fica ainda mais divertido quando a gente interage, inclusive conheci pessoas incríveis por um desses grupos, mas isso é assunto para outra hora! Mesmo sendo ótimos eu não uso os grupos como única fonte de pesquisa, eles me ajudam como fonte de informações rápidas e consultas, ou então quando estou com um tempinho livre, vejo se foi postado algo interessante ou então tento ajudar alguém se eu souber responder a pergunta da pessoa!
Assista vídeos no youtube, leia sites como os meus preferidos Vai pra Disney? e Andreza Dica e Indica Disney, mas há um monte deles por ai com muitas informações que ajudarão no planejamento! Use e abuse do Google, além de sempre confirmar as informações em alguma outra fonte antes de tomar decisões importantes!

2. Antecedência é tudo.

Você não precisa programar sua viagem com 3 anos de antecedência, mas é importante que, independente de quando você irá comprar passagens, reservar hotéis e etc você tenha em mente que há diversos detalhes para serem avaliados na hora de "fechar" tudo isso então, se você começou a fazer suas pesquisas com uma certa antecedência você terá mais clareza na hora de comprar os ítens da viagem. Eu decidi que viajaria em setembro quase 1 ano antes de viajar então tive tempo para providenciar documentação e fazer pesquisas e hoje a menos de 2 meses da viagem já está tudo certo, inclusive os detalhes (reservas em restaurantes que abrem com 180 dias de antecedência e fastpass+ que, para hóspedes Disney abrem com 60 dias de antecedência). Além disso, eu já tinha uma poupança pra Disney desde 2014 porque até então eu iria para Orlando em Julho de 2015... Desde que escolhi a data só continuei juntando o dinheiro para pagar tudo a vista e não ter nenhuma pendência na volta.
Além dessas peculiaridades, com antecedência você consegue programar a compra de dólares e também viajar com a maior parte das despesas pagas, mesmo no caso de parcelamento, quanto menos sobrar para pagar na volta melhor! Vai que você usa seu cartão de crédito lá? Se juntar a parcela da viagem e a fatura do cartão pode ficar meio pesado! Ainda assim, é minha opinião, ok? O importante aqui é realizar o seu sonho!

3. Faça um roteiro, mas seja flexível.

Não estou dizendo para ter um roteiro minuto a minuto, mas é interessante que você faça um esboço do que pretende fazer em Orlando e distribua essas atividades nos dias em que pretende ficar por lá, considerando dias sem parques, pois anda-se muito nos parques e caso você, como eu, pretenda curtir os parques da abertura ao fechamento, emendar os parques maiores sem descanso pode ficar bem cansativo, porém tudo de acordo com seu tempo disponível, não é?
Um roteiro te ajuda a saber onde ir para não precisar decidir lá, para isso é importante toda aquela pesquisa da primeira dica. Você pode usar calendários de lotação para escolher os dias de parque, mas eu usei um outro critério, porém comecei distribuindo os dias de parques Disney e depois os outros (no meu caso 3 dias nos parques do Universal Orlando Resort e 1 dia de Sea World), além disso já sabia que um dos dias por ser feriado seria separado para compras. Avalie os gostos e necessidades do seu grupo na hora de montar seu roteiro, porque dependendo do estilo de vocês esse roteiro pode ser mais ou menos detalhado.
E o principal, entenda quando algo não couber no roteiro e que imprevistos acontecem mesmo quando planejamos tudo, e caso ocorra, seja flexível e faça ajustes de última hora, caso seja necessário.

4. My Disney Experience

A Disney possui no seu site, o My Disney Experience onde você planeja sua viagem (a parte dentro do complexo Disney) e através dessa plataforma você reserva restaurantes, agenda seus fastpass+, pode montar um roteiro com o que pretende fazer nos parques, acessa sua reserva no hotel Disney (caso vá se hospedar lá) entre outras atividades. Ele possui também um aplicativo que permite fazer praticamente tudo o que é possível no site, além de facilitar a consulta a informações como o tempo de espera das atrações quando você já estiver nos parques (que possuem wi-fi!).
Se eu for falar de My Disney Experience eu vou passar um dia inteiro, mas vale observar que o aplicativo só está disponível em inglês, porém você pode acessar o site e usar a versão em português sem problemas. Se quiserem um post sobre ele me avisem que faço!
O Universal Orlando Resort também possui um aplicativo, mas eu ainda não usei. Então não posso falar dele por enquanto, mas vou instalá-lo ainda antes de viajar e conto aqui.

5. Faça uma lista de compras e planeje seus gastos

Na verdade essa dica poderia estar junto com o roteiro, mas quis colocar separado porque assim chamaria mais atenção. Prefira viajar com um orçamento, independente de estar levando dinheiro em espécie ou cartões pré-pagos ou de crédito, porém para isso funcionar é melhor que você já saia do Brasil com uma idéia de quanto pretende gastar lá. Como fazer isso? Faça listas de coisas que você quer muito comprar, comer e até mesmo lugares que você pretende ir, mas que o ingresso só pode ser comprado lá. Com essa lista em mão acesse os sites das lojas e pesquise os preços para ter uma idéia de quanto custa sua wishlist e aproveite para procurar cupons de desconto porque é algo que, pelo menos nos Estados Unidos, funciona muito, até mesmo para os restaurantes!
A importância de definir as prioridades e se programar para elas é enorme e evita que você fique sem dinheiro lá ou então de gastar o dinheiro com outra coisa e não poder comprar o que queria. A idéia aqui é viajar e voltar feliz!


Photo credit: sⓘndy° via Remodel Blog / CC BY-SA



PAUSA PARA UMA DICA EXTRA!!!



6. Você não é obrigado a nada!
Parece uma piada eu falar isso? Vou explicar por que é importante eu dizer... Quando a gente conversa com outras pessoas ou entra nesses grupos, podemos encontrar com gente que não entende que o que é bom para um, não é para o outro! Então respeite seus limites, sejam ele de tempo, de dinheiro, ou qualquer outro tipo e se programe dentro do que você pode fazer... Se der para fazer mais, faça! Mas não deixe de ir porque te falaram que se você não fizer isso ou aquilo não vai aproveitar!
Se sua limitação é o idioma, Orlando é preparada para receber turistas do mundo todo. Pesquise como falar coisas importantes, anote frases chave, instale tradutores no celular e se joga! Sempre vai ter alguém para quem pedir ajuda!
No meu caso, minha limitação é locomoção, porque como alguns sabem eu ainda não dirijo. Você vai ler muita gente falando que não dá pra ir pra Orlando sem carro, mas eu conheci uma pessoa que foi e fez tudo o que quis (ficamos amigas também!), depois dela, surgiram outros relatos então eu fui anotando essas dicas e isso me deu segurança para ir para Orlando sem carro sim!
Então mesmo as minhas dicas, são apenas dicas... Pense na sua segurança e no que te faz bem. É seu sonho e só você vai saber o melhor jeito de realizá-lo!


Bom gente, é isso! Eu pretendo continuar postando sobre esse assunto aos domingos até antes da viagem, depois já não sei como ficará! Ainda não sei qual vai ser o próximo post, então aceito sugestões, como sempre.

Siga também por aqui: Facebook / Bloglovin / Pinterest / Instagram / We ♥ it

quinta-feira, 7 de julho de 2016

Não cabe a mim mudar as outras pessoas

Sabe aquela história de que somos os responsáveis pela mudança que queremos no mundo? Pera lá, um pouco de cautela ai!

Eu finalmente entendi o que significa fazer parte de um todo. Vivemos em um mundo cheio de outras pessoas que pensam diferente de nós, pessoas com sonhos, prioridades, necessidades e personalidades diferentes das nossas e isso faz parte da beleza e da feiúra do mundo, embora eu prefira acreditar que muito mais da beleza! Essas diferenças fazem com que nós possamos aprender uns com os outros, porque se todos fossem iguais, o mundo não evoluiria nunca.

Photo credit: dancing with the dead via Foter.com / CC BY-NC-ND

Mas quando falamos da personalidade e das atitudes o bicho pega porque entram em jogo divergências de pensamento, comportamento, o juízo de valor e o tal do certo e errado . Eu não preciso concordar com a forma como o outro age, mas eu também não posso querer que ele pense ou se comporte da forma que EU acredito ser a correta. Esse tipo de pensamento de que só nosso jeito é o correto (mesmo quando nosso jeito também está correto) faz com que a gente entre num estágio de julgamento constante da postura do outro, faz com que a gente se coloque em uma posição em que acredita que o outro tem o dever de se comportar como nós e além de nos tornarmos reclamões irritantes ficamos doentes.

Foi assim que me perdi.

Eu sou uma pessoa muito tolerante com algumas coisas, mas não percebi o quanto me tornei intolerante para outras. Eu tive uns problemas com relacionamento interpessoal e acabei tornando a coisa muito mais pessoal do que ela deveria ter sido por ter demorado para tomar uma atitude que pudesse mudar a situação, demorei para entender que aquilo deveria ser corrigido. Ainda assim, mesmo após a situação ter sido resolvida, as marcas que elas me deixou me tornaram cheia de rancor com relação à outra pessoa e também gerou o que posso chamar de uma certa obssessão por criticar tudo o que a pessoa fazia. Não é algo bonito de assumir, porém eu finalmente entendi o que aconteceu comigo. Eu deixei que um problema me machucasse porque demorei para tomar uma atitude a respeito por medo das consequências e no final das contas eu me prejudiquei de outras formas. O problema pior foi que depois de a questão ser resolvida eu simplesmente adotei uma postura horrorosa e rancorosa. O que vamos ser honestos, não me ajudou em nada.

Eu fui afundando, afundando e quase me afoguei em um oceano de sentimentos ruins e reclamações sem fim. Eu chorei na frente de outras pessoas (várias vezes), eu discuti com gente que não tinha nada a ver com a situação, eu sentia raiva o tempo todo, ataquei meus amigos, reclamava de tudo e achava que era a única pessoa agindo corretamente quando na verdade estava fazendo TUDO ERRADO! Eu me deixei doente, eu me coloquei em uma situação ruim e não enxergava isso, porque na minha cabeça a culpa era das outras pessoas porque eu era a vítima (que tolinha!). Eu precisei chegar em um ponto em que olhei para mim e senti vergonha da minha situação para entender que a culpa não era do outro, mas minha, só minha e eu era a única pessoa capaz de me curar porque eu estava me envenenando aos poucos.

Eu acredito que o mundo precise de regras, eu acredito que todos temos deveres, obrigações e que devemos cumprir com isso, mas isso é minha percepção. Eu detesto a mania que as pessoas têm de querer dar jeitinho para tudo, mas eu não vou mudar ninguém e eu não vou resolver essas coisas ficando irritada e brigando. Eu só preciso agir de acordo com meus valores e com as coisas que acredito serem certas, e então tudo bem. Posso educar, orientar o outro sim, mas eu convivo na maior parte do meu tempo com adultos, então se alguém não quer cumprir regras não sou eu que vou mudar isso com minhas reclamações. Somos responsáveis por nossas ações e tudo tem uma consequência, então eu posso ficar tranquila porque se algo estiver errado vai ser corrigido pelas leis do universo.

Me coloquei numa condição em que escolhi sofrer por coisas que não precisava, me importei demais com coisas que estavam além da minha alçada. Gastei minha energia com coisas ruins ao invés de transformá-la em coisas boas. Eu sou uma Pessoa, já tenho minhas necessidades e dificuldades, tenho muitas qualidades e defeitos e todos os meus próprios dramas para lidar e não preciso colocar mais peso nas minhas costas.

Eu firmei o compromisso de me preocupar apenas com minha Vida, eu falo da Vida em seu sentido mais amplo. Me comprometi a mudar minha postura frente às coisas que não concordo e caso isso não esteja prejudicando ninguém eu simplesmente não vou me envolver emocionalmente com coisas que não mereçam tanto gasto de energia. Serei racional. Estou aprendendo meus limites e finalmente entendi que não tenho a obrigação de resolver todos os problemas do mundo, muito menos de mudar as pessoas. Eu posso sim alertar alguém no caso de a pessoa estar fazendo algo que não seja correto éticamente ou que possa prejudicar outras pessoas, porém cabe a essa pessoa mudar de postura ou não e eu não tenho que sofrer por isso, porque o outro irá continuar vivendo sua vida tranquilamente enquanto eu estou chorando oceanos e deixando de viver e aproveitar as coisas boas da Vida.

Eu amo minha Vida e amo as pessoas que fazem parte dela. Mas eu preciso colocar minha saúde em primeiro lugar e cuidar um pouco mais de mim... É muita maldade comigo me causar toda essa angústia por coisas que não posso mudar. As pessoas têm direito de agir como querem, seja essa postura correta ou não, eu não tenho direito de querer mudá-las. Qualquer sofrimento causado em mim quando eu acredito que tenho ou que posso mudar o outro é minha culpa, então se eu tenho escolha, pra que sofrer?

Siga também por aqui: Facebook / Bloglovin / Pinterest / Instagram / We ♥ it

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...