quarta-feira, 13 de julho de 2016

Tchau, tchau cabelão!

Lembram quando eu postei uma wishlist aqui e um dos ítens era um cabelo curto? Pois é, isso foi há quase dois meses e nesse tempo eu pesquisei, mudei de idéia, salvei alguns cortes no Pinterest, enrolei e não cortei. Porém semana passada estava no shopping com a minha mãe e tive 5 minutos de coragem! Decidi cortar e cortei!

Para quem não lembra ou não sabia, meu cabelo estava enorme! Eu uso cabelo comprido desde uns 11/12 anos então foi meio chocante para muita gente que achou que nunca ia me ver com o cabelo na altura dos ombros!

Esse é o Antes!
Eu vou confessar que fiquei muito insegura, porém como estava muito afim de uma mudança e já disse que tenho medo de mexer na cor do meu cabelo eu só tinha a alternativa de cortar!

O corte escolhido foi um long bob repicado na altura dos ombros, mas como eu não entendo nada de corte de cabelo, perdoem se estiver errado o nome. Como eu preciso fazer um coque com o cabelo para trabalhar, então não poderia ficar mais curto (eu tenho que colocar o cabelo dentro do capacete!). Eu gostei demais do resultado. Acredito que estava precisando mesmo dessa mudança. Ainda estou estranhando um pouco o fato de ter menos cabelo para pentear ou então esquecendo de reduzir a quantidade de shampoo (vai tempo ainda haha).

E esse é o Depois
Mas o que realmente queria contar aqui é o destino que eu dei ao cabelo que cortei! Desde que decidi cortar eu já sabia que doaria o cabelo para alguma ong que trabalhe com a confecção de perucas para pessoas que perderam o cabelo por causa dos tratamentos contra o câncer, ou qualquer outra razão. Depois de pesquisar um pouco cheguei até a ONG Rapunzel Solidária. Eles têm um site que ainda está em construção porém vou deixar o link aqui para o futuro. Enviei um e-mail para saber como doar o cabelo para eles. É bem simples o procedimento e eles aceitam qualquer tipo de cabelo, como informam já na capa da página do facebook (primeiro link desse parágrafo).

Segue aqui o passo a passo:

  • Você pode doar qualquer tipo de cabelo, tendo química ou não.
  • Quando for cortar o cabelo, avise ao cabeleireiro para ele amarrar o seu cabelo com um elástico e cortar um pouco acima do elástico (caso você corte seu cabelo em casa, faça o mesmo procedimento, ok?). Lembrando que o cabelo deve ser cortado seco e limpo.
  • O ideal é que a mecha cortada tenha pelo menos 15 cm, mas você pode doar se tiver menos que isso também!
  • Tire uma foto segurando o cabelo e compartilhe na fanpage do projeto.
  • Coloque o cabelo preso com o elástico em uma sacola ou caixa e envie para: Caixa Postal: 57007- CEP: 04089-972 - São Paulo - SP
  • Caso você queira entregar sua doação pessoalmente, segue os endereços que eles me enviaram por e-mail: 
  • Escola Projeto Aprender - Av Dr Altino Arantes, 472/476, 2ª a 6ª das 7h30 às 18h30.
  • JJ Cabeleireiros – Av. Cidade Jardim, 1013 – fone: (11) 3079-9042
  • Hospital Pérola Byington – Av. Brig. Luis Antonio, 683 – fone (11) 3248-8000, procurar por Carmelina
Eles têm uma lista de espera para quem esteja precisando de perucas. Basta preencher esse formulário.

A possibilidade de ajudar outras pessoas a partir de algo que já me deixou feliz, só me motivou ainda mais a cortar o cabelo. Cortei um monte de cabelo e ainda sobrou um bom tanto para eu prender e poder trabalhar tranquila!

Independente de qualquer coisa, acredito no poder que o ser humano tem de fazer a diferença na vida do próximo e esse tipo de iniciativa tem o único objetivo de devolver sorrisos... Me senti honrada em poder contribuir.

Essa foi a foto que compartilhei na página do projeto!

Vocês já doaram cabelo alguma vez ou participaram de alguma iniciativa como essa? Vamos falar sobre isso?

Siga também por aqui: Facebook / Bloglovin / Pinterest / Instagram / We ♥ it

domingo, 10 de julho de 2016

5 dicas para sua viagem para Orlando

Esse post faz parte do meu planejamento de viagem. Chegou agora? Pois é, vou pra Orlando e estou contando aqui o planejamento. No último post eu falei sobre compra de passagens aéreas. De lá você consegue ir para outros posts ou então clica na categoria Viagem, está tudo lá!

Planejar uma viagem sempre é algo divertido se você gosta dessa fase da expectativa e também de deixar tudo o mais personalizado possível. Quando essa viagem é para Orlando esse planejamento é um pouco diferente, e cheio de detalhes para melhorar a experiência. Resolvi fazer essa lista com algumas dicas e se vocês gostarem, posso tentar trazer outras listas como essa! Tudo isso aprendi nas minhas pesquisas e conversando com pessoas que foram e como estou compartilhando meu planejamento aqui, achei interessante dividí-las com vocês, já que algumas delas servem para qualquer viagem.


Imagem: Disney

1. Pesquise!

Essa dica parece óbvia, mas nem todo mundo pensa muito nela. Se você já tem o hábito de viajar para o exterior, algumas coisas parecerão mais simples, mas se como eu, é sua primeira viagem para Orlando e também para fora do país você vai precisar de muita pesquisa para aproveitar ao máximo o que a cidade tem a oferecer.
Se você é do tipo "deixa a vida me levar" não vai precisar pesquisar tanto assim, porém se gosta de conhecer o lugar para onde vai, tendo uma idéia do que encontrará lá, pega o caderninho, seu aplicativo de notas preferido e partiu estudar Orlando!
Existem diversos grupos no facebook sobre o assunto e eu faço parte de vários, os que eu mais gosto são: Coisas de Orlando, Magia em Orlando e Disney4you. Nesses grupos o pessoal dá dicas, tira dúvidas e é bem interessante e fica ainda mais divertido quando a gente interage, inclusive conheci pessoas incríveis por um desses grupos, mas isso é assunto para outra hora! Mesmo sendo ótimos eu não uso os grupos como única fonte de pesquisa, eles me ajudam como fonte de informações rápidas e consultas, ou então quando estou com um tempinho livre, vejo se foi postado algo interessante ou então tento ajudar alguém se eu souber responder a pergunta da pessoa!
Assista vídeos no youtube, leia sites como os meus preferidos Vai pra Disney? e Andreza Dica e Indica Disney, mas há um monte deles por ai com muitas informações que ajudarão no planejamento! Use e abuse do Google, além de sempre confirmar as informações em alguma outra fonte antes de tomar decisões importantes!

2. Antecedência é tudo.

Você não precisa programar sua viagem com 3 anos de antecedência, mas é importante que, independente de quando você irá comprar passagens, reservar hotéis e etc você tenha em mente que há diversos detalhes para serem avaliados na hora de "fechar" tudo isso então, se você começou a fazer suas pesquisas com uma certa antecedência você terá mais clareza na hora de comprar os ítens da viagem. Eu decidi que viajaria em setembro quase 1 ano antes de viajar então tive tempo para providenciar documentação e fazer pesquisas e hoje a menos de 2 meses da viagem já está tudo certo, inclusive os detalhes (reservas em restaurantes que abrem com 180 dias de antecedência e fastpass+ que, para hóspedes Disney abrem com 60 dias de antecedência). Além disso, eu já tinha uma poupança pra Disney desde 2014 porque até então eu iria para Orlando em Julho de 2015... Desde que escolhi a data só continuei juntando o dinheiro para pagar tudo a vista e não ter nenhuma pendência na volta.
Além dessas peculiaridades, com antecedência você consegue programar a compra de dólares e também viajar com a maior parte das despesas pagas, mesmo no caso de parcelamento, quanto menos sobrar para pagar na volta melhor! Vai que você usa seu cartão de crédito lá? Se juntar a parcela da viagem e a fatura do cartão pode ficar meio pesado! Ainda assim, é minha opinião, ok? O importante aqui é realizar o seu sonho!

3. Faça um roteiro, mas seja flexível.

Não estou dizendo para ter um roteiro minuto a minuto, mas é interessante que você faça um esboço do que pretende fazer em Orlando e distribua essas atividades nos dias em que pretende ficar por lá, considerando dias sem parques, pois anda-se muito nos parques e caso você, como eu, pretenda curtir os parques da abertura ao fechamento, emendar os parques maiores sem descanso pode ficar bem cansativo, porém tudo de acordo com seu tempo disponível, não é?
Um roteiro te ajuda a saber onde ir para não precisar decidir lá, para isso é importante toda aquela pesquisa da primeira dica. Você pode usar calendários de lotação para escolher os dias de parque, mas eu usei um outro critério, porém comecei distribuindo os dias de parques Disney e depois os outros (no meu caso 3 dias nos parques do Universal Orlando Resort e 1 dia de Sea World), além disso já sabia que um dos dias por ser feriado seria separado para compras. Avalie os gostos e necessidades do seu grupo na hora de montar seu roteiro, porque dependendo do estilo de vocês esse roteiro pode ser mais ou menos detalhado.
E o principal, entenda quando algo não couber no roteiro e que imprevistos acontecem mesmo quando planejamos tudo, e caso ocorra, seja flexível e faça ajustes de última hora, caso seja necessário.

4. My Disney Experience

A Disney possui no seu site, o My Disney Experience onde você planeja sua viagem (a parte dentro do complexo Disney) e através dessa plataforma você reserva restaurantes, agenda seus fastpass+, pode montar um roteiro com o que pretende fazer nos parques, acessa sua reserva no hotel Disney (caso vá se hospedar lá) entre outras atividades. Ele possui também um aplicativo que permite fazer praticamente tudo o que é possível no site, além de facilitar a consulta a informações como o tempo de espera das atrações quando você já estiver nos parques (que possuem wi-fi!).
Se eu for falar de My Disney Experience eu vou passar um dia inteiro, mas vale observar que o aplicativo só está disponível em inglês, porém você pode acessar o site e usar a versão em português sem problemas. Se quiserem um post sobre ele me avisem que faço!
O Universal Orlando Resort também possui um aplicativo, mas eu ainda não usei. Então não posso falar dele por enquanto, mas vou instalá-lo ainda antes de viajar e conto aqui.

5. Faça uma lista de compras e planeje seus gastos

Na verdade essa dica poderia estar junto com o roteiro, mas quis colocar separado porque assim chamaria mais atenção. Prefira viajar com um orçamento, independente de estar levando dinheiro em espécie ou cartões pré-pagos ou de crédito, porém para isso funcionar é melhor que você já saia do Brasil com uma idéia de quanto pretende gastar lá. Como fazer isso? Faça listas de coisas que você quer muito comprar, comer e até mesmo lugares que você pretende ir, mas que o ingresso só pode ser comprado lá. Com essa lista em mão acesse os sites das lojas e pesquise os preços para ter uma idéia de quanto custa sua wishlist e aproveite para procurar cupons de desconto porque é algo que, pelo menos nos Estados Unidos, funciona muito, até mesmo para os restaurantes!
A importância de definir as prioridades e se programar para elas é enorme e evita que você fique sem dinheiro lá ou então de gastar o dinheiro com outra coisa e não poder comprar o que queria. A idéia aqui é viajar e voltar feliz!


Photo credit: sⓘndy° via Remodel Blog / CC BY-SA



PAUSA PARA UMA DICA EXTRA!!!



6. Você não é obrigado a nada!
Parece uma piada eu falar isso? Vou explicar por que é importante eu dizer... Quando a gente conversa com outras pessoas ou entra nesses grupos, podemos encontrar com gente que não entende que o que é bom para um, não é para o outro! Então respeite seus limites, sejam ele de tempo, de dinheiro, ou qualquer outro tipo e se programe dentro do que você pode fazer... Se der para fazer mais, faça! Mas não deixe de ir porque te falaram que se você não fizer isso ou aquilo não vai aproveitar!
Se sua limitação é o idioma, Orlando é preparada para receber turistas do mundo todo. Pesquise como falar coisas importantes, anote frases chave, instale tradutores no celular e se joga! Sempre vai ter alguém para quem pedir ajuda!
No meu caso, minha limitação é locomoção, porque como alguns sabem eu ainda não dirijo. Você vai ler muita gente falando que não dá pra ir pra Orlando sem carro, mas eu conheci uma pessoa que foi e fez tudo o que quis (ficamos amigas também!), depois dela, surgiram outros relatos então eu fui anotando essas dicas e isso me deu segurança para ir para Orlando sem carro sim!
Então mesmo as minhas dicas, são apenas dicas... Pense na sua segurança e no que te faz bem. É seu sonho e só você vai saber o melhor jeito de realizá-lo!


Bom gente, é isso! Eu pretendo continuar postando sobre esse assunto aos domingos até antes da viagem, depois já não sei como ficará! Ainda não sei qual vai ser o próximo post, então aceito sugestões, como sempre.

Siga também por aqui: Facebook / Bloglovin / Pinterest / Instagram / We ♥ it

quinta-feira, 7 de julho de 2016

Não cabe a mim mudar as outras pessoas

Sabe aquela história de que somos os responsáveis pela mudança que queremos no mundo? Pera lá, um pouco de cautela ai!

Eu finalmente entendi o que significa fazer parte de um todo. Vivemos em um mundo cheio de outras pessoas que pensam diferente de nós, pessoas com sonhos, prioridades, necessidades e personalidades diferentes das nossas e isso faz parte da beleza e da feiúra do mundo, embora eu prefira acreditar que muito mais da beleza! Essas diferenças fazem com que nós possamos aprender uns com os outros, porque se todos fossem iguais, o mundo não evoluiria nunca.

Photo credit: dancing with the dead via Foter.com / CC BY-NC-ND

Mas quando falamos da personalidade e das atitudes o bicho pega porque entram em jogo divergências de pensamento, comportamento, o juízo de valor e o tal do certo e errado . Eu não preciso concordar com a forma como o outro age, mas eu também não posso querer que ele pense ou se comporte da forma que EU acredito ser a correta. Esse tipo de pensamento de que só nosso jeito é o correto (mesmo quando nosso jeito também está correto) faz com que a gente entre num estágio de julgamento constante da postura do outro, faz com que a gente se coloque em uma posição em que acredita que o outro tem o dever de se comportar como nós e além de nos tornarmos reclamões irritantes ficamos doentes.

Foi assim que me perdi.

Eu sou uma pessoa muito tolerante com algumas coisas, mas não percebi o quanto me tornei intolerante para outras. Eu tive uns problemas com relacionamento interpessoal e acabei tornando a coisa muito mais pessoal do que ela deveria ter sido por ter demorado para tomar uma atitude que pudesse mudar a situação, demorei para entender que aquilo deveria ser corrigido. Ainda assim, mesmo após a situação ter sido resolvida, as marcas que elas me deixou me tornaram cheia de rancor com relação à outra pessoa e também gerou o que posso chamar de uma certa obssessão por criticar tudo o que a pessoa fazia. Não é algo bonito de assumir, porém eu finalmente entendi o que aconteceu comigo. Eu deixei que um problema me machucasse porque demorei para tomar uma atitude a respeito por medo das consequências e no final das contas eu me prejudiquei de outras formas. O problema pior foi que depois de a questão ser resolvida eu simplesmente adotei uma postura horrorosa e rancorosa. O que vamos ser honestos, não me ajudou em nada.

Eu fui afundando, afundando e quase me afoguei em um oceano de sentimentos ruins e reclamações sem fim. Eu chorei na frente de outras pessoas (várias vezes), eu discuti com gente que não tinha nada a ver com a situação, eu sentia raiva o tempo todo, ataquei meus amigos, reclamava de tudo e achava que era a única pessoa agindo corretamente quando na verdade estava fazendo TUDO ERRADO! Eu me deixei doente, eu me coloquei em uma situação ruim e não enxergava isso, porque na minha cabeça a culpa era das outras pessoas porque eu era a vítima (que tolinha!). Eu precisei chegar em um ponto em que olhei para mim e senti vergonha da minha situação para entender que a culpa não era do outro, mas minha, só minha e eu era a única pessoa capaz de me curar porque eu estava me envenenando aos poucos.

Eu acredito que o mundo precise de regras, eu acredito que todos temos deveres, obrigações e que devemos cumprir com isso, mas isso é minha percepção. Eu detesto a mania que as pessoas têm de querer dar jeitinho para tudo, mas eu não vou mudar ninguém e eu não vou resolver essas coisas ficando irritada e brigando. Eu só preciso agir de acordo com meus valores e com as coisas que acredito serem certas, e então tudo bem. Posso educar, orientar o outro sim, mas eu convivo na maior parte do meu tempo com adultos, então se alguém não quer cumprir regras não sou eu que vou mudar isso com minhas reclamações. Somos responsáveis por nossas ações e tudo tem uma consequência, então eu posso ficar tranquila porque se algo estiver errado vai ser corrigido pelas leis do universo.

Me coloquei numa condição em que escolhi sofrer por coisas que não precisava, me importei demais com coisas que estavam além da minha alçada. Gastei minha energia com coisas ruins ao invés de transformá-la em coisas boas. Eu sou uma Pessoa, já tenho minhas necessidades e dificuldades, tenho muitas qualidades e defeitos e todos os meus próprios dramas para lidar e não preciso colocar mais peso nas minhas costas.

Eu firmei o compromisso de me preocupar apenas com minha Vida, eu falo da Vida em seu sentido mais amplo. Me comprometi a mudar minha postura frente às coisas que não concordo e caso isso não esteja prejudicando ninguém eu simplesmente não vou me envolver emocionalmente com coisas que não mereçam tanto gasto de energia. Serei racional. Estou aprendendo meus limites e finalmente entendi que não tenho a obrigação de resolver todos os problemas do mundo, muito menos de mudar as pessoas. Eu posso sim alertar alguém no caso de a pessoa estar fazendo algo que não seja correto éticamente ou que possa prejudicar outras pessoas, porém cabe a essa pessoa mudar de postura ou não e eu não tenho que sofrer por isso, porque o outro irá continuar vivendo sua vida tranquilamente enquanto eu estou chorando oceanos e deixando de viver e aproveitar as coisas boas da Vida.

Eu amo minha Vida e amo as pessoas que fazem parte dela. Mas eu preciso colocar minha saúde em primeiro lugar e cuidar um pouco mais de mim... É muita maldade comigo me causar toda essa angústia por coisas que não posso mudar. As pessoas têm direito de agir como querem, seja essa postura correta ou não, eu não tenho direito de querer mudá-las. Qualquer sofrimento causado em mim quando eu acredito que tenho ou que posso mudar o outro é minha culpa, então se eu tenho escolha, pra que sofrer?

Siga também por aqui: Facebook / Bloglovin / Pinterest / Instagram / We ♥ it

domingo, 3 de julho de 2016

Tempo de voltar pra casa

Para quem percebeu, passei mais de 15 dias longe do blog, não tão longe, mas sem publicar nada. Saí daqui dizendo que estava perdida e avisei que talvez me afastasse um pouco, já que não estava bem para escrever, porém com a certeza de que voltaria porque escrever aqui é algo que me faz bem e me afastar não me faria melhorar, mas foi preciso. Eu não estava conseguindo organizar os pensamentos para escrever nada que gostasse o suficiente para publicar, mesmo com muitas idéias, as coisas estavam soltas e eu não estava conseguindo conectá-las e nem me conectar com elas.



As coisas saíram do meu controle e eu ainda estou tentando retomar as rédeas dessa coisa chamada Vida, assim, com V maiúsculo, como aprendi a chamar com a Maki. Eu ainda estou tentando ficar pelo menos melhor. Porque os dias que passei nesse final de mês não foram fáceis. 2016 teve sua primeira metade em forma de montanha russa e eu estou tentando me manter de pé depois de tantos loopings. A coisa desandou de um jeito que perdi meu Bullet Journal no meu quarto e até agora não consegui entender como isso aconteceu. Ainda estou procurando... Mas pode ser que eu comece outro, com novas idéias, novo formato, novo tudo!

Estive (e ainda estou) muito atarefada com as coisas do trabalho nos últimos tempos, tinha muita coisa para fazer e eu não consegui me concentrar em outras coisas, somando a isso o fato de que a viagem está bem próxima agora e esses últimos preparativos tomam um pouco de tempo, porém vou me organizar para dar conta de tudo isso que me propus a fazer, mesmo porque gosto do Inventando Assunto, preciso desse lugarzinho. E falando na viagem, estou organizando os assuntos que pretendo falar nas próximas postagens sobre a viagem. Então ainda dá tempo de sugerir algo, caso queiram.

Eu li os comentários de vocês e essa semana comecei a respondê-los, e continuarei fazendo isso até que todos tenham sido respondidos. Queria dizer que receber apoio de pessoas que nem conheço foi importante e faz parte do propósito desse blog que é conhecer pessoas, fazer amigos e compartilhar amor. Eu nunca prometi postar todos os dias, ou três vezes na semana. Eu prometi escrever com verdade e quando eu não conseguir fazer isso, simplesmente não farei, porque quero que quando alguém abrir uma postagem minha, consiga me conhecer através dela. Assim como quero me encontrar no que escrevi quando, no futuro, eu voltar para ler as publicações antigas.

Porém, ainda assim... MUITA COISA BOA aconteceu, não posso negar. Consegui desapegar de uma boa parte das roupas que não usava mais, comprei minha Melissa Flox, fiz minha tatuagem (como dá pra ver na foto lá em cima), conheci pessoas incríveis, usei o Uber pela primeira vez, troquei os meus óculos e por ai vai... Algumas dessas coisas se tornarão postagens aqui no blog e eu estou organizando tudo isso para que logo a gente consiga conversar novamente!

Eu senti saudade!
Mas eu estou de volta!

Siga também por aqui: Facebook / Bloglovin / Pinterest / Instagram / We ♥ it

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...